Odontopediatria

Saúde Bucal da criança

RC Odontologia atende e ensina, em Porto Alegre e em todo o Estado do RS crianças e adolescentes, a cuidarem de sua saúde bucal, evitando e prevenindo doenças. A prevenção é importante para que doenças como cárie, doença periodontal sejam evitadas. Quanto mais cedo levar a criança ao Odontopediatra, menos chances de traumas e medos. O melhor é começarmos o atendimento desde tenra idade.

O nosso objetivo é prestar um atendimento de qualidade aos bebês, crianças e adolescentes, trabalhando com a prevenção e acompanhamento, para que seu filho chegue à idade adulta livre de cáries.

Odontopediatria

É essencial ensinar e mostrar como a higiene dentária é importante para que eles criem hábitos saudáveis desde pequenos. Nosso trabalho é feito de maneira que as crianças aprendam brincando. A Odontologia hoje, é uma Odontologia Preventiva, no sentido de promover a saúde dos dentes, evitando a cárie na criança.

Odontopediatria

Você sabia que respirar pela boca pode trazer problemas de crescimento e de desenvolvimento dos ossos maxilares e das arcadas dentárias das crianças?

Existem possíveis impedimentos para a respiração nasal que podem propiciar o incorreto desenvolvimento e crescimento da face, dentre eles podemos citar: hipertrofia de amídalas e adenóides, rinite, bronquite, sinusite. Quando ocorre obstrução das vias aéreas devido a algum desses impedimentos, a criança acaba respirando pela boca. É importante intervir tão logo seja percebido o processo, encaminhando o paciente, sempre que possível, para o tratamento multidisciplinar – com dentista, otorrinolaringologista, ortodontista, fonoaudiólogo e fisioterapeuta.

Os pais podem constatar algumas características faciais e bucais indicativas de que a criança está respirando pela boca. Algumas das características faciais são: asas do nariz pouco desenvolvidas, olheiras, manutenção da boca entreaberta, etc

Nas características bucais encontramos:

  • Palato (céu da boca) profundo, alto;
  • Mordidas cruzadas (dentes de cima ficam por dentro dos dentes de baixo e não por fora como é o correto);
  • Mordidas abertas (quando há um espaço entre os dentes superiores e inferiores da frente durante a mordida);
  • Ressecamento bucal e, às vezes, surgimento de mau hálito;

O respirador bucal quase sempre apresenta algum tipo de alteração dentária e o diagnóstico precoce do dentista auxilia a tratar eventuais conseqüências que tenham ocorrido. Paralelamente, o paciente deverá ser encaminhado para um profissional que trate a doença, geralmente um otorrinolaringologista.

Quais os dentinhos que saem primeiro e como devo limpá-los?

Veja abaixo algumas dicas de higienização dos dentinhos de leite:

Idade Dentes que nascem Higienização
Gestação Os dentes começam a se formar a partir da sexta semana de vida intra-uterina. Na gestação a mãe deve cuidar de sua higiene, já que nesse período, devido a alterações hormonais, fica mais susceptível a doenças, como gengivite.
01 mês O dente presente a partir do 1ºmês é chamado de dente neo-natal. Massagear as gengivas e limpar o(s) dentinho(s) com gaze, por exemplo.
6 a 12 meses Incisivos centrais e laterais inferiores e superiores (só que os incisivos laterais superiores precedem os laterais inferiores geralmente) Após surgirem os primeiros dentinhos, os pais devem escovar todos os lados dos dentes da criança, seguindo uma ordem, para não esquecer nenhum. A escovação deve ser feita pelo responsável e não pela criança devido à falta de coordenação para remover a placa bacteriana.
12 a 18 meses Primeiros molares inferiores e superiores. Sempre com escova própria para idade e realizada pelo responsável.
18 a 24 meses Caninos superiores e inferiores. Sempre com escova própria para idade e realizada pelo responsável.
24 a 30 meses Segundos molares inferiores e superiores. Nessa etapa, o processo de erupção da dentição decídua está completo. A criança terá 20 dentes na boca, isto é, 08 incisivos, 04 caninos e 08 molares. Sempre com escova própria para idade e realizada pelo responsável.

Erupção dentária

Assista a ordem cronológica a Erupção Dentária!

Odontopediatria

Dentes de leite – você sabia que os cuidados começam na vida intra-uterina? E que os bebês ficam irritados e salivando muito quando os primeiros dentinhos surgem?

Os dentes começam sua formação por volta da sexta semana de vida embrionária e, a partir do sexto mês de vida, inicia-se o processo de erupção dentária, sendo os inferiores, geralmente, os primeiros dentes a irromperem na cavidade bucal.

É importante que algumas medidas de prevenção sejam instituídas mesmo antes do nascimento do bebê. As mães devem manter sua saúde bucal em dia e redobrar os cuidados de higiene, já que, devido a alterações hormonais, ficam mais susceptíveis a doenças de gengiva (gengivite) e a doença periodontal (periodontite). Não significa que terão essas doenças, e sim que podem evitá-las. Portanto, é essencial consultar o seu dentista regularmente.

Durante a gestação, os pais devem ser instruídos e buscar informações sobre programas de prevenção. Já durante a amamentação, recomenda-se aos pais higienizar a cavidade bucal do bebê assim que romper o primeiro dente, utilizando dedeiras especiais, escovas dentárias para bebês ou então, gaze umedecida.

Em muitas crianças, a erupção dos dentes é precedida pelo aumento da salivação e irritabilidade durante o dia. Nesta época, a criança pode intensificar o hábito de chupar o dedo ou de friccionar a gengiva, perder o apetite ou apresentar alterações gengivais. Com a erupção de mais dentes, os pais devem passar a fazer uso da escova dental para higienizar a cavidade bucal de seus filhos, após as refeições, começando em uma área determinada da boca e prosseguindo de forma ordenada até remover e desorganizar a placa bacteriana. Se os dentes estiverem em contato, indica-se o uso do fio dental nessas áreas, sempre motivando as crianças a participarem deste processo, desde bebês.

A escovação deve ser iniciada, desde a erupção do primeiro dente, com escova dental macia, e especial para criança. Além disso, o creme dental deve ser infantil, visto que as crianças engolem o produto. Devido à grande quantidade de flúor presente nas pastas de adultos devemos redobrar o cuidado para que não ocorra intoxicação e nem manchamento dos dentes permanentes devido a ingestão do produto.

Qual a melhor idade para levar meu filho ao Odontopediatra?

A idade ideal para iniciarmos o atendimento Odontopediátrico é o primeiro ano de vida.

O objetivo do tratamento nessa fase é evitar e interferir na instalação de hábitos que, ao longo do tempo, podem trazer danos à saúde bucal e ao correto desenvolvimento da criança.

Os melhores resultados em relação à não instalação do medo, do trauma e da ansiedade, acontecem quanto mais cedo a criança for levada ao profissional.

É importante dizer que a cárie é a doença mais prevalente na primeira infância.

Odontopediatria

Durante a gestação, os pais devem ser instruídos e buscar informações sobre programas de prevenção. Já durante a amamentação, recomenda-se aos pais higienizar a cavidade bucal do bebê assim que romper o primeiro dente, utilizando dedeiras especiais, escovas dentárias para bebês ou então, gaze umedecida.

Em muitas crianças, a erupção dos dentes é precedida pelo aumento da salivação e irritabilidade durante o dia. Nesta época, a criança pode intensificar o hábito de chupar o dedo ou de friccionar a gengiva, perder o apetite ou apresentar alterações gengivais. Com a erupção de mais dentes, os pais devem passar a fazer uso da escova dental para higienizar a cavidade bucal de seus filhos, após as refeições, começando em uma área determinada da boca e prosseguindo de forma ordenada até remover e desorganizar a placa bacteriana. Se os dentes estiverem em contato, indica-se o uso do fio dental nessas áreas, sempre motivando as crianças a participarem deste processo, desde bebês.

É possível que a criança nunca tenha cárie?

Sim. A cárie é uma doença causada por vários fatores.

A alimentação com alta frequência de sacarose e a incorreta higiene são alguns deles. Se a criança é acompanhada pelo dentista desde cedo, é possível prevenir a instalação da doença cárie, pois são dadas orientações e esclarecimentos aos pais sobre alimentação e higiene como formas de prevenção.

As visitas periódicas ao dentista, além de ajudarem a evitar o medo, a ansiedade e o trauma, permitem que se detecte eventual cárie no seu início, facilitando o tratamento e evitando o agravamento do quadro, já que a doença pode também ser controlada

Alimentação e Cárie

A cárie é uma doença causada por vários fatores. Um desses fatores diz respeito aos hábitos alimentares, principalmente na primeira infância.

Os pais devem dar muita importância à rotina alimentar de seus filhos, seja em casa, seja na escolinha. Os alimentos cariogênicos (aqueles que levam a criança a desenvolver a doença cárie quando ingeridos sem controle) estão presentes no dia-a-dia de todos. São exemplos de alimentos cariogênicos as bolachas, balas, doces, líquidos açucarados, pirulitos, refrigerantes, caramelos, pudins, etc.

As bactérias presentes na boca metabolizam o açúcar do alimento que fica aderido aos dentes e o transformam em ácido, que causa lesões dentárias. Após 20 a 30 minutos da ingestão dos alimentos cariogênicos, ocorre uma diminuição do pH da saliva, o que aumenta a chance do aparecimento das cáries. Por isso, a escovação dental eficiente após as refeições é tão importante e, quando ela não for possível, ao menos o enxágüe da boca deve ser feito.

Fatores como a consistência do alimento e a freqüência com que são ingeridos também são importantes. Quanto mais consistente o alimento, mais ele gruda nos dentes e fica mais difícil de removê-lo se a higiene não for realizada em seguida.

Já com relação à freqüência de ingestão dos alimentos, é preferível que os alimentos cariogênicos sejam dados como sobremesas do que entre as refeições. Caso sejam fornecidos entre as refeições, uma eficiente higiene dentária na criança deve ser feita, o quanto antes.

O controle da alimentação e os hábitos de higiene bucal das crianças devem começar quando ainda bebês, sendo muito importante, portanto, que os pais levem seus filhos ao odontopediatra desde cedo, para que sejam feitos exames preventivos, recebam orientação e habituem a criança com o ambiente do consultório odontológico, diminuindo as possibilidades de medos e traumas.

Consequências Dentais da Sucção de Dedo

Procedimento terapêutico destinado a harmonizar o volume dos dentes com o dos maxilares, mediante a eliminação paulatina de alguns dentes decíduos e permanentes.

Extração seriada em Ortodontia

Procedimento terapêutico destinado a harmonizar o volume dos dentes com o dos maxilares, mediante a eliminação paulatina de alguns dentes decíduos e permanentes.

Higiene bucal segura E eficaz em bebês

É essencial obter as informações corretas o mais cedo possível tratando-se de higiene bucal dos bebês. Embora os dentes de leite dos bebês sejam temporários, eles ainda estão suscetíveis a apresentarem cáries e infecções, e as mães também podem transferir bactérias nocivas para suas crianças, de acordo com a Associação Dentária Americana (ADA). Conhecer a abordagem correta da higiene bucal em cada estágio de desenvolvimento de seu bebê lhe ajudará a ter certeza de estar fornecendo os melhores cuidados possíveis.

Higiene bucal dos bebês é a sua própria higiene bucal

Uma boa higiene bucal do bebê começa com a saúde dentária da própria mãe. Bactérias que provocam doenças, chamadas “streptococcus mutans” podem ser facilmente transferidas pelas mães às crianças, e podem causar cáries. Hábitos alimentares ruins podem aumentar a produção de bactérias e o risco de transferência a seu bebê, portanto tenha atenção com sua dieta e certifique-se de cuidar bem de sua higiene bucal.

Os estudos indicam que cáries na infância prematura, ou cáries dentárias que resultam em formação de cavidades, é uma doença infecciosa bastante disseminada em bebês. Esta também é uma das doenças mais fáceis de evitar, já que tomar as medidas de prevenção adequadas podem evitar sua ocorrência e melhorar a saúde bucal.

Os cuidados mais eficazes em cada estágio

Siga estas etapas para garantir uma higiene bucal adequada para suas crianças:

1. Agende sua consulta com o dentista no segundo trimestre da gravidez. Limpeza e cuidados básicos serão práticas seguras para seu bebê, e reduzem os riscos de transmissão de bactérias e infecção.

2. Agende o primeiro exame de saúde bucal do bebê até ele completar um ano de idade, ou quando o primeiro dente nascer. Os objetivos desta primeira visita são:

Avaliação de riscos: o pediatra irá verificar se quaisquer etapas adicionais deverão ser tomadas com base no exame inicial.

Educação: Os pediatras recomendam visitas de rotina a cada seis meses nos primeiros cinco anos de seu filho. Referências: Isto significa escolher um odontopediatra que fornecerá cuidados completos e consistentes ao longo dos próximos anos.

3. No primeiro ano de vida, limpe as gengivas de seu bebê no mínimo duas vezes por dia, durante a manhã e à noite, e após as amamentações, para prevenir o aparecimento de bactérias e acúmulo de comida. A melhor técnica é enrolar seu dedo indicador em uma gaze limpa e úmida, e gentilmente limpar as gengivas de seu bebê.

4. Quando os dentes começarem a nascer, limpe-os com um creme dental sem flúor e uma escova de dente infantil de acordo com a idade. Procure por escovas de cerdas macias e de fácil aderência nas mãos para bebês e crianças de até dois anos de idade.

Odontopediatria - o que evitar?

O que evitar?

Evite uma exposição excessiva ao flúor. Você deverá consultar seu dentista ou pediatra para obter informações sobre o uso de flúor. Não deixe seu bebê cair no sono durante a amamentação ou com uma mamadeira em sua boca; isto minimizará o risco de desenvolvimento bactérias. Por fim, não compartilhe seus utensílios, como canudos ou copos. Lembre-se que as bactérias podem ser transmitidas e causar infecções.

Colocar todas estas ações em práticas poderão garantir ao seu bebê os mais seguros e eficazes cuidados bucais. Definitivamente, isto trará mais tranquilidade para pais e crianças!

Quais escovas são adequadas para cada idade?

Existe uma escova de dentes própria para cada fase da vida Conforme a criança cresce, é preciso adaptar a escova para facilitar a higienização. Para saber qual é a melhor, é recomendado pedir orientação ao dentista.

O critério de indicação de diferentes escovas para cada diferente fase da vida deve estar baseada no tamanho e formato dos maxilares e dentes. Conforme a criança cresce, é preciso adaptar a escova para facilitar a higienização. Para saber qual é a melhor, é recomendado pedir orientação ao dentista.

Escova Mordedor

Entre 3 meses e 1 ano de idade - Escova-Mordedor

A primeira escova dental dos bebês, na realidade deve ser uma espécie de mordedor. Ela deve ser usada a partir do momento que os bebês já tiverem coordenação motora suficiente para segurar objetos (aproximadamente 3 meses a 1 ano de idade). Na realidade, o mordedor ideal deve ser um estimulador neurossensorial com múltiplas funções como, por exemplo, estimular o desenvolvimento e percepção tátil, auditiva e visual dos bebês; facilitar a erupção dental; e ajudar a acalmar os bebês.

Porém, se ele tiver uma pequena escova de borracha na ponta vai possibilitar também a higienização dos dentes de leite de uma forma natural. A principal vantagem deste dispositivo é que a criança realiza a escovação de uma forma quase inconsciente.

A partir da erupção dental até 6 anos de idade - Escova Infantil

Em conjunto com o mordedor-escova as escovas infantis são indicadas logo após a erupção dos primeiros dentes decíduos (entre 5 e 9 meses de vida) até o início da erupção dos dentes permanentes (entre 5 ou 6 anos de idade). Estas escovas devem apresentar características específicas como a presença de uma cabeça pequena e anatômica; cerdas arredondadas, polidas e ultramacias; e um cabo com textura macia, que se adapte facilmente às mãos. As escovas infantis devem ser um verdadeiro objeto de desejo, para que as crianças aceitem e realizem a higiene oral de uma forma divertida. É fundamental incentivar a escovação desde cedo e, gradativamente, com o amadurecimento deixar esta tarefa para as crianças realizarem sozinhas.

Erupção Dental
Escova Juvenil

Entre 7 e 14 anos de idade – Escova Juvenil

A escova deve ter uma cabeça pequena, porém, com um formato mais oval para proteger ainda mais as gengivas e bochechas durante a escovação. As gengivas nesta faixa etária são um pouco mais resistentes. Assim, pela rapidez com que os adolescentes escovam os dentes, pode-se usar cerdas ligeiramente mais rígidas para melhorar a eficiência, porém, sem machucar as gengivas.

A partir dos 15 anos de idade - Escova Adulto

As escovas para adultos podem ter basicamente dois diferentes tamanhos de cabeça de acordo com o tamanho dos arcos dentais. Uma escova com tamanho de cabeça pequena e outra com a cabeça super pequena. Escovas com cabeças grandes e até mesmo médias não devem ser indicadas, pois, tornam o ato da escovação desconfortável e praticamente impossível em áreas de difícil acesso.

Nesta fase, a escolha de uma escova com cerdas ultramacias para não machucar as gengivas é fundamental, pois, escovas mais duras provocam retração gengival e abrasão do esmalte. Procure sempre escovas que tenham o maior número possível de cerdas ultramacias. Escovas com mais de cinco mil cerdas ultramacias e com diâmetro reduzido das cerdas - apenas 0,10mm - alcançam regiões de difícil higienização e região dos sulcos gengivais - margem de contorno dos dentes.O cabo com deve ter um design sextavado para possibilitar naturalmente a utilização na angulação correta durante o ato da escovação, onde a escova deve ficar inclinada em um ângulo de 45° - metade das cerdas apoiada sobre a coroa dental e metade apoiada sobre a margem gengival. O cabo deve ser flexível para que a escova se modele naturalmente à forma do arco dental e seja capaz de absorver cargas excessivas durante o ato da escovação.

Escova Adulto
Quero transformar meu Sorriso!